sábado, 12 de abril de 2008

Sensações e sensações


Ao mesmo tempo é um sentimento esquisito e bom; de união e de distância; de familiaridade com o desconhecido. E isso não é ruim.

Sensibilidade. Esta é a palavra cujo significado faz diferença hoje. Acordei diferente. Vejo as coisas de um modo que não via antes. Tudo mais sensível, tem um sabor diferente, mas sem perder o bom humor. Em toda a minha vida - e ela não é longa, começou há pouco mais de 19 anos - nunca havia me sentido desse jeito. A respiração é tranqüila e os pensamentos serenos.

E por falar em tranqüilidade, hoje vejo coisas que não costumava reparar. Como as formigas são organizadas! [tudo bem que vida de cigarra é mais atraente] Uma a uma, as formigas levam pra casa muita comida que vai ser estocada. Isso se nenhum moleque resolver inundar o formigueiro. Voltando à serenidade, as flores estão com uma intensidade que parecem refletir a luz do dia. Até parecem uma aquarela. As árvores estão mais verdes e as copas desenham formas geométricas que dançam desengonçadas ao vento. É meio brega falar isso, mas é engraçado - e até emocionante - ver as coisas deste jeito. Nunca tinha visto assim.

Meu coração bate de um jeito intenso. Nunca tinha observado os movimentos dos músculos cardíacos. É assim que muitos médicos gostam de falar. Pra que? Sempre falo "meu coração!" e não "meu músculo cardíaco!". Sabe que a tal diástole realmente dilata, puxando o sangue pra dentro das cavidades. Já a irmã dela, a sístole, se contrai expulsando o sangue das cavidades. Taí Diástole e Sístole. Se não fossem nomes de movimentos do coração, poderiam até ser uma dupla sertaneja. O engraçado é que dá pra perceber esses movimentos - o da dupla sertaneja - pelo barulho que fazem. Como é bom ouvir o barulho do próprio coração! Assim fica melhor. Já pensou falar! "como é bom ouvir o barulho do próprio músculo cardíaco". Argh!

O dia está realmente diferente hoje. Tem alguma coisa acontecendo. Até a sensação da água que bebo ser filtrada no meu corpo tô tendo. Água filtrada? Diretamente do purificator. O mais completo sistema de filtragem de água. É um apelido carinhoso que dei para os rins. Sentir a água sendo filtrada não é muito normal, mas é vital! Ops, não era intenção rimar. Mas enfim... ter os rins [ou melhor o purificator] funcionando - com ou sem rima - é algo realmente importante.

E por falar em importante, bom mesmo é ter o fígado funcionando. E olhe que tem muita gente com problemas hepáticos. Traduzindo, com problema no figo... É uma tristeza! Existem especialistas que afirmam que o fígado tem mais de 500 funções. Só pra citar algumas - até esnobam com palavras pouco usadas - metabolizar vitaminas, filtrar mecanicamente bactérias, desintoxicar toxinas químicas produzidas pelo organismo e desintoxicar toxinas químicas externas. Difícil, né! Mas experimente ter um problema no figo, pra ver.

Enfisema pulmonar? Nunca ouvi falar disso. Aliás, lembro-me de uma campanha contra tabagismo, ou melhor, de combate ao fumo e, por conseqüência, ao fumante. Já reparou que a sociedade defende a inclusão social, mas coitados dos fumantes! verdadeiro segmento em exclusão. Nem salinha pra eles querem mais. Enfim... Graças a Deus, minha saúde sempre foi boa. De problema pulmonar, só resfriado, daqueles bem chatinhos que insistem em pingar pelo nariz. Na falta de lenço, passe a mão em cima dele, de baixo em direção à testa. Aproveite a mesma mão e dê uma arrumadinha no cabelo. Que nojo!

É! o dia está realmente estranho. Aconteceram coisas estranhas. Vi, senti, filtrei, metabolizei, respirei coisas que nem sabia que existiam. Ou não me dava conta que existiam. Está tudo ligado, mas ao mesmo tempo parece dividido. É muita sensação. Ao mesmo tempo, de união e de distância. Familiaridade com o desconhecido. E isso não é ruim.

Lembrei!

Esperaí; lembrei. É isso! Estava de moto naquela avenida [tudo bem, velocidade acima do permitido]... O capacete? No cotovelo [Óh! ingrato costume]. Sei que atravessei a avenida - o sinal estava aberto pra mim - mas aquela caminhonete tinha que aparecer daquele jeito. Não vi mais nada. Acordei agora com todas essas sensações. Esquisitas e boas. Bendita hora que falei pro meu pai que eu era doador de órgãos.

9 comentários:

Bruno Maffi disse...

Zerinho!!!

Então, surpreendeu!

Mas foi como seu estivesse ouvindo sua voz falando o texto! O fechamento foi muito bem elaborado!

Parabéns!

Frutas na medicina doméstica disse...

Muito legal, Rei o teu Blog e a crônica de estréia. Adorei. Sucesso, garoto!!!
baci mille,
Dalva Regina

Guilherme Henrique Batista disse...

Texto que mescla um ótimo humor, informações inusitadas, criatividade e uma imprevísivel surpresa no final!

Já lhe disse, e digo de novo: na minha humilde opinião, está é a melhor crônica tua que eu já li!

vida longa ao novo blog!

Ruanne Lima disse...

Supreendente.
Essa é a palavra que exprime corretamente a minha reação pós leitura. A forma com que você conduz o leitor não nos prepara para o 'gran finale', e isso enrique ainda mais o texto.

Parabéns!
Sou suspeita para falar... Mas enfim! Muito bom.

marianacolletti disse...

Adoreiiiii !!!
Final inusitado e mto bom !
Começou beeemm....

Parabénss

jacobsfoto disse...

lindo....muito bom. Um final sem igual....
Luiz Jacobs

Fabiane Gaion disse...

Oi Reinaldo!!

adorei o blog e a crônica! Vou visitá-lo sempre!!

abraços!!

GirlsNightOut disse...

Adorei! Como eu te disse Rey, muito culto heheheheh
Parabéns
Isis

Paulo Eleutério disse...

Talvez o internauta precise ler novamente. Esse final
surpreendente mexe com as sensações. Se for excluída a
parte da falta de lenços, não vai fazer a menor falta! Pela
galhardia das informações em relação aos órgãos, já valeu o
dia, que hoje, está diferente.