domingo, 3 de maio de 2009

Precisa-se


Genésio não perde as esperanças e começa mais uma vez, às 5h30, a sua rotina. Ainda bem que ele tem a Madalena.

Mais um dia na minha rotina que não tem sido nada interessante. Levanto às 5h30, tomo um café preto. Seco. Ouço como todos os dias. __Genésio, você terá mais sorte hoje e vai conseguir. Vai com Deus, meu véio. Ai! se não fosse a Madalena, não sei o que seria de mim. Nesses dois anos e cinco meses, a vida não tem sido fácil não. Ela sustenta a casa com o salário de doméstica e nunca me abandonou. Até o dinheiro pro ônibus, ela fornece.




"Precisa-se de motorista com experiência de cinco anos e três cartas de referência."


Vou à empresa de transporte. Durante 15 anos, dirigi numa transportadora de cargas perigosas. Estou ansioso e sentindo que vai ser a minha vez. __O currículo do senhor é muito bom, seu Genésio. Essa transportadora deu boas referências, mas precisamos de alguém mais jovem. As palavras calaram minha voz interior e me jogaram de volta na rua. Lembro da Madalena e não desanimo. O dia vai ser farto.




"Precisa-se de encarregado de depósito com experiência comprovada."

Naquela rede de confecção, o clima é bom. Fui muito bem recebido na portaria, na recepção. As meninas são legais. Durante a entrevista com a mulher do RH, senti que é a minha chance. Até ela abrir a boca. __Seu Genésio, vi que o senhor tem muita experiência em controle de estoque, mas nosso sistema é todo informatizado. Precisamos de alguém que domine o computador. De volta à rua. Mais uma vez.




"Precisa-se de folguista para cobrir à noite e aos finais de semana."


O trabalho é num condomínio de luxo. Vou à agência. Sei que posso fazer muito mais e meu currículo tem experiência e conhecimento em várias áreas, mas tá tão difícil que o jeito é pegar ou largar. __Essa vaga de porteiro já foi ocupada, seu Genésio, mas preenche essa ficha que se aparecer alguma coisa, a agência encaminha o senhor. Já era quase meio-dia. O terceiro não, mas não vou desistir.




"Temos vagas"

Como um salgado na lanchonete da avenida e sigo a minha sina. Em frente à construção do prédio aquela plaquinha me anima. Apesar de não estar no meu roteiro, vou arriscar. Vagas para que? Nem posso fazer luxo. Entro e peço o emprego. __Seu Genésio. Acabei de contratar a pessoa para a vaga. Se o senhor tivesse chegado uns 20 minutos antes. Aquela frase veio para testar a minha fé em Deus. Culpo o salgado da lanchonete. De qualquer forma, agradeço e saio. E de longe eu ouço o responsável pela contratação. __Mário, eu não mandei tirar a placa do tapume! Você não me ouviu? Faça isso agora!

"Precisa-se de açougueiro. Exige-se boa aparência e três anos de experiência."

O supermercado fica bem longe de casa, mas como trabalhei num açougue quando era moço, acho que pode dar certo. Vou arriscar mais uma vez. __Então seu Genésio, mas o senhor não comprovou essa experiência no açougue. Vou saindo da sala quando a mocinha do RH, me chama. __Seu Genésio, como açougueiro não vai dar, mas a rede está aderindo a um programa de incentivo de contratação de idosos. O senhor tem interesse em ser empacotador no caixa?



Ser chamado de idoso com 53 anos é de doer, mas negocio com meus egos e aceito a proposta. Chego em casa e conto para a Madalena que estou empregado. Ela me diz que tinha sentido isso e que tinha comprado uma camisa nova para eu estrear no primeiro dia de trabalho. Ela me abraça e me dá um beijo de confiança. Andei o dia inteiro. Estou muito cansado. Eu e a Madalena, jantamos. Vamos dormir. Preciso descansar nesta sexta-feira, Dia 1º de Maio. Vou começar já no sábado no meu novo emprego, depois de dois anos e cinco meses.

Um comentário:

Lorena disse...

Lindo, Rei. Me emocionei.

Beijos