domingo, 14 de março de 2010

Inquietudes (14) do Rei

A sociedade brasileira quando discute segurança pública parece querer organismos policiais mais para a segurança patrimonial que para a segurança à vida. Quanto custa a morte de um rico e quanto custa a morte de um pobre? E a repercussão? Morte de pobre, preto, da periferia sensibiliza e mobiliza autoridades policiais, políticas e econômicas? A morte tem classe social.

Um comentário:

artigosemvalor disse...

são levantamentos muito inquietantes mesmo. eu já me cansei de esperar assistir em jornais, reportagens que são publicados em revistas do tipo carta capital. com o advento da TV por assinatura (em minha casa) tenho assistido cada vez menos