domingo, 8 de maio de 2011

Coisas de mãe

Os filhos alimentam muitos sonhos e acho que é isso que dá forças para eu, como mãe, continuar amando e cuidando dos meus filhos

Hoje é mais um dia da minha rotina. Casa. Filhos. Filhos. Casa. Cuidar dos meus três meninos e das minhas cinco meninas não é uma tarefa fácil, mas eu os amo muito e sempre vou querer o melhor para todos. Mãe releva muita coisa feia que filho faz porque vê-los crescendo, com saúde, para ser alguém na vida é o sonho maior de todos.

Mariana tem 13 anos. Karen Stépanhie tem 12. Marlon, 10. Jeniffer Patrícia, 8. Amanda, 7. Grace Maria, 6. Christian, 4 e João Marcelo, 2. Meus filhos estudam no colégio público aqui perto de casa. Alguns de manhã, alguns à tarde. Isso significa que eu passo o dia cuidando deles.

Café da manhã, lavar roupa, limpar a casa, fazer o almoço, limpar a cozinha, passar roupa, fazer a janta, botar pra dormir. A vida de uma dona de casa com muitos filhos não é brincadeira, mas é gratificante. Ver essa criançada crescer e alimentar seus sonhos vale cada tarefa. Apesar de que todos - menos os pequenos - ajudam nas coisas da casa: varrer, passar pano no chão, arrumar cozinha, deixar o próprio quarto em ordem.

O esforço não é em vão. Nunca! Receber um beijo de surpresa, ver o sorriso no canto da boca ou ouvir um obrigado mãe apaga qualquer cansaço. É reanimador! E assim eu me dedico hoje, amanhã, outro dia, no outro, mais outro...  

Falei em sonhos? É isso mesmo. Os filhos alimentam muitos. Acho que é isso que dá forças para eu, como mãe, continuar amando e cuidando dos meus filhos. Ter a certeza que você fez o melhor por eles e eles terão o seu melhor para o resto da vida. Tem coisas na vida que não têm preço mesmo.

Na janta um dia desses, a Mariana disse que queria ser professora. Ela falou que acha a função de ensinar muito nobre. É verdade! Pena que o magistério anda tão desvalorizado. Acho que é porque o conhecimento está muito acessível e os alunos, quando chegam à escola, parece que não valorizam o que aprendem.

A Karen Stépanhie quer ser modelo. Só porque é magrela, mas a danada é muito bonita. Tem uma pele que lembra a camurça, com um marronzinho lindo e suave. Já o Marlon disse que não sabe o que quer ser, mas adiantou que quer mandar. Não quer ser empregado, quer ser patrão. Os outros filhos ainda são pequenos e não pensam essas coisas do futuro, tanto que a Karen Stéphanie perguntou para o Christian o que ele quer ser quando crescer. A resposta foi deliciosamente óbvia.

__Quero ser grandão.

E assim, os dias vão passando. Cuidado e mais cuidado. Amor de mãe é mesmo mágico. Cura tudo. De tristeza a machucado no joelho. Amo minha família e, mesmo não tendo muito dinheiro, eu faço tudo por eles. Sou louca pelos meus filhos. Gosto de saber como eles estão. Quero participar de cada passo da vida deles. Ajudar na tarefa da escola.

Hoje vou dar uma notícia. A família vai crescer de novo. Gêmeos. Vamos reorganizar a casa para receber mais essas duas alminhas, que são uma benção para mim. Todo mundo recebe bem a notícia. Um quer dividir o quarto, o outro diz que dá a cama, o outro diz que divide o guarda-roupa.

Os gêmeos têm 3 aninhos. A mãe biológica entregou os meninos, disse que não tem condições de cuidar deles. Serão meus filhos. A magia da maternidade está em cada momento que a gente exerce a função de mãe. Protegendo. Cuidando. Acompanhando. Amando.

Esse projeto de mãe social faz um bem imenso. Essas crianças encontram uma casa. Mais que uma cama e comida, encontram amor e apoio para reconstruir a própria história, com tão pouco tempo de vida.

Um comentário:

Renata Cabrera disse...

"Protegendo. Cuidando. Acompanhando. Amando..."

A crônica está muito característica Reinaldo! A impressão que se dá é a de um depoimento de uma mãe. Mesmo! Todavia, não posso deixar de expor que essa coisa de mãe social é um papel que a gente (eu, como ainda filha e você, como pai) não consegue traduzir. Ainda que como "vislumbrador". Isso é coisa de gente doida. De gente que é mãe. Gente que só elas entendem o que é ser... Parabéns meu caro! Sensibilidade...