terça-feira, 10 de maio de 2011

O mundo muda, as pessoas também

Ele não entende como o primo amigo pode renegar todas as experiências vividas. Ficava intrigado porque o que ele é hoje, também é uma somatória de todas as coisas de ontem, fossem positivas fossem negativas. Aprender com os erros é normal. Aliás, os erros parecem ensinar com muito mais força que os próprios acertos.

Quando você erra, para e reflete sobre o que deu errado, o caminho percorrido e o resultado desastroso, que poderia ter sido diferente. Quando você acerta, não reflete, infla o peito e saboreia uma vitória com sabor de orgulho. Poderia ter feito melhor? Não há resposta porque o ego toma conta das possibilidades.

Primos de primeiro grau, eles cresceram juntos. Alimentavam a esperança de fazer algo grandioso. Jovens, queriam mudar o mundo. Transformar a aldeia global num lugar melhor para todos. Participaram de movimentos estudantis, usaram palavras de ordem, fizeram política, muita política. Nunca se filiaram a partidos. Eles acreditavam que se o fizessem perderiam a legitimidade de criticar, apontar falhas.

Ainda na juventude, depois da faculdade, os dois acreditavam que a transformação estava na organização, fosse comunitária, fosse sindical. Era preciso organizar-se. Frases feitas faziam parte do vocabulário de ambos. Às vezes, eles mesmos afirmavam que não aguentavam ficar juntos. A crítica era ácida, corrosiva. Não havia nuances nas cores. Eram absolutas. Sobrava para todo mundo.

O mundo mudou, eles também. O Muro de Berlim caiu. As Torres Gêmeas também. Um conheceu uma menina. Namoraram dois anos e cinco meses. Casaram. Já no segundo mês, ele raspou a barba e cortou o cabelo. Arrumou emprego como professor de ensino médio e, para manter a casa, trabalha num colégio particular, dirigindo um curso pré-vestibular. Vive a pressão de aumentar os números dos aprovados.

Ele e a mulher estão esperando o primeiro filho. Agora só tem cabeça para o quarto do bebê, a decoração, o berço, as roupinhas. Acredita, hoje, no livre mercado. Entre outros temas, é contra as políticas afirmativas das cotas públicas, contra o reconhecimento da união estável de homossexuais, contra o aborto em qualquer circunstância.

__Tudo o que defendi ficou no passado. Aliás, tenho vergonha de como eu era.
O outro ainda acredita que é possível transformar a aldeia global num lugar melhor para todos. Virou professor universitário. Assessora movimentos sociais, realiza oficinas de organização comunitária, envolve-se com questões cotidianas de segmentos excluídos. Também casou-se. Ele e a mulher são pais de dois filhos pequenos. Acredita e defende tudo que o primo abomina.

__ Não me orgulho de muita coisa que fiz, mas não nego o feito.

Os primos amigos continuam apenas primos. O elo que os une são os avós. Na Páscoa. No Natal. A convivência se restringe às datas comemorativas mais familiares. E esse elo deve se romper logo. É que os avós estão com a saúde debilitada.

Nenhum comentário: