quinta-feira, 26 de maio de 2011

Sobre homofobia e diversidade II

A presidenta Dilma Roussef determinou a suspensão da distribuição do kit anti-homofobia nas escolas. Considero a discussão do assunto na escola de fundamental importância para a construção de uma cultura de respeito às diferenças e aos diferentes. 

Se não foi agora, por pressão da bancada evangélica - aquela que fala em nome de Deus, mas segrega e divide em vez de somar - que venham então outras oportunidades.

Um viés que foge à atenção é o fato de a escola ter assumido um papel que é obrigatoriamente dos pais: educar. Hoje a escola educa, mas essa função é da família. Escola é para ensinar conteúdo específico e formal. Se a escola não da conta do conteúdo formal, imagine então o informal. 

Veja o caso deste mesmo tema: a homofobia. Se a escola desse conta de abordá-lo, não haveria polêmica alguma. Se um professor tem na sala de aula uma criança com valores consolidados, dependendo dos valores, não vai conseguir interferir, apenas lamentar.

E convenhamos, nada vai ajudar se uma criança cresce num lar intolerante cujos pais não respeitam as diferenças e os diferentes. Não será um vídeo ou cartilha ou planfleto ou professor que a levará a respeitar quem não é igual a ela. 

Neste sentido, o kit anti-homofobia deveria ser direcionado para muitos pais e não para os filhos.

Um comentário:

Hal/New disse...

Bem isso meu amigo.
Conseguiu traduzir em palavras meus pensamentos em relação à esse tema.