sexta-feira, 17 de junho de 2011

Apague a luz, por favor!

O vice-prefeito de Londrina, José Joaquim Ribeiro (PSC), deixou hoje o governo Barbosa Neto (PDT). Ele era o presidente do Instituto de Desenvolvimento de Londrina (Idel). A notícia negativa para os lados da administração municipal - mesmo sem rompimento, o episódio mostra que aliados pulam do barco - vem em meio a mais uma crise na saúde.

O diretor-executivo da Secretaria de Saúde, Marcio Nishida, em entrevista ao Jornal de Londrina de hoje, tenta explicar o corte de recursos do Sistema Único de Saúde (SUS) para a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) e outras oito entidades que prestam serviços de saúde a pessoas com deficiência.

Burocraticamente, o diretor-executivo argumenta que o corte de repasses do SUS à Apae e às outras entidades é parte de uma readequação do teto repassado pelo Ministério da Saúde.

A crise no setor em Londrina parece não ter fim. Cinco secretários de saúde em menos de dois anos, prestadores de serviços emergenciais que montam esquema de desvio de recursos com a participação de agentes públicos, procurador-geral do município preso, conselheiro de saúde preso por recebimento de propina que acusa a primeira-dama de estar envolvida no esquema.

Enquanto isso, a Secretaria de Saúde não planeja suas ações. Prazos são perdidos, convênios interrompidos, serviços suspensos. E a população paga a conta: sem médicos, sem plantonistas, sem medicamentos, enfim sem saúde.

A culpa é do SUS e da falta de recursos públicos?

Uma breve consulta ao sistema de informações financeiras do Datasus, a transferência fundo a fundo - do Fundo Nacional de Saúde para o Fundo Municipal de Saúde de Londrina - mostra que as transferências de recursos em maio chegou a 16.453.977,51. Em abril, os valores transferidos somaram 16.954.631,87.

Os recursos milionários pagam programas em áreas como assistência farmacêutica, atenção básica, média e alta complexidade ambulatorial e hospitalar e vigilância em saúde.

__De quanto é o valor repassado pelo Fundo Nacional de Saúde para o Fundo Municipal de Saúde de Londrina?
__O valor é superior a R$ 16 milhões. Todo mês.
__É muito ou pouco?
__Depende. Esses recursos são bem ou mal administrados? E olhe que neste total não estão computados os valores do Tesouro Municipal, ou seja, os recursos próprios do município que somam outros milhões de reais.
__ Então, o último que sair, apague a luz, por favor.

Nenhum comentário: