sexta-feira, 10 de junho de 2011

Evangelho de Jesus Cristo

Como professores universitários, eles participam de grupos de discussão e formação continuada de docentes. Na pauta do mês, o uso das tecnologias da informação no processo de ensino-aprendizagem.

Ambos concordam em muita coisa na vida acadêmica. Falta de infraestrutura. As salas são cheias. Falta de programa de carreiras e salários. Deficiência do ensino básico. Entre outros, etc e por aí vai.

Mas num ponto eles divergem e muito.

Ela diz que a web e outras ferramentas virtuais, num ambiente colaborativo, é possível fazer com que o aluno incorpore a autoria compartilhada e tenha sucesso nos seus estudos e produção acadêmica. 

__Veja bem, essa é uma mudança de paradigma. Nesta perspectiva, nossos alunos podem ter muito sucesso com a produção acadêmica a partir da autoria compartilhada.

Já repararam como professor universitário adóóóóóóra essas duas palavras: perspectiva e paradigma? Poderia ser até uma dupla desse tal sertanejo universitário. Enfim...

__Autoria compartilhada? Como assim?

Ela explica que num ambiente colaborativo de construção de texto, uma das vantagens é a possibilidade de muitas vozes enriquecerem o processo de produção.

Eu argumento que, neste modelo - assim como nos tradicionais, muitos podem se apropriar de produção alheia e inserir no ambiente coletivo da web como se fosse conteúdo próprio.

Ela explica que se o aluno pegar determinados conteúdos disponíveis na web, pode adaptá-los para o trabalho, citando o autor original e assinando em conjunto. Ela insiste.

__Isso é a base da autoria compartilhada na produção textual colaborativa.

Eu ataco sem piedade acadêmica.

__Claro que não! Isso é a institucionalização do plágio.

Ela ainda é complacente.

__Desde que citada a fonte, não pode ser caracterizado o plágio.
__Mas a ABNT está aí para normatizar as referências bibliográficas.
__Estamos dois passos a frente deste modelo de referenciar autores. Estamos num ambiente em que todos podem produzir conteúdos a partir de outros conteúdos. Por isso, o tal do colaborativo neste ambiente. Entendeu?


Dou uma pigarreada para limpar os resquícios de uma sinusite teimosa.

__Então você elabora um projeto, define o recorte da pesquisa, aplica os métodos de coleta de dados, analisa os dados, associa as teorias mais adequadas. Depois de algum tempo chega a algumas conclusões e publica o trabalho. Um tempo depois, um recém-ingressante pega o seu trabalho porque os Anais do evento estão na internet - ele não elaborou projeto, não definiu o recorte da pesquisa, não aplicou os métodos de coleta de dados, não analisou os dados, não associou as teorias e não chegou a nenhuma conclusão - e ao incorporar esse conhecimento produzido por outros pode assinar em conjunto nessa tal autoria compartilhada?
__Essa é a essência da transformação dos paradigmas.
__Nesta perspectiva, nem a perspectiva vai fazer dupla com o paradigma porque ela é contra a pirataria. Essa essência, só se for da preguiça intelectual. Você não vê isso?


Perguntei mesmo, sem paciência.

Ela ainda pacientemente, tenta me convencer do contrário.

__Os ambientes colaborativos, principalmente os wikis, têm essa genialidade. Transformar todas as pessoas de meros espectadores em produtores de conteúdo. Isso é compartilhar o conhecimento, um processo que possibilita o rompimento das barreiras geográfico-temporais. É uma rede não-convencional de relacionamentos.

Sarcasticamente, eu provoco.

__Aham... É uma rede de furto virtual de conhecimento alheio e que o meliante ainda deixa o cartão de visitas.

Ela perde a paciência. De vez.

__Você precisa se atualizar. Esse é o futuro da produção colaborativa do conhecimento. Esse processo potencializado pelo ambiente virtual e suas ferramentas de interação dará à educação um salto significativo de qualidade.
Não aguentei.

__Eu? Me atualizar. Então tá. Já sei o que vou fazer. Vou pegar um livro importante, mudar algumas frases, atualizar as normas gramaticais, propor uma construção narrativa mais literária, num estilo de crônica jornalística e vou assinar em conjunto. Já pensou "O Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas e Reinaldo Zanardi"? Não seria um sucesso editorial?
__Nossa! você não entendeu nada.


Depois eu que não entendi.

Um comentário:

Guilherme Palma disse...

é incrível né Reinaldo, quanto mais inteligente a pessoa mais ignorante ela se torna
fantastico