sexta-feira, 17 de junho de 2011

O preço da reprodução II

"Somente depois que a mulher deixou de amamentar, testes de DNA nos pais e nas crianças foram feitos, E comprovaram que ela era a mãe biológica das crianças, mas ele não era o pai biológico. Atordoados procuraram Adbelmassih e um advogado. Queriam entrar com uma ação judicial contra a clínica, mas acabaram aceitando acordo  proposto pelo médico para ficar em silêncio: ele a mulher receberam, em 1994, FR 300 mil cada um."

A revista Época revelou, recentemente, um esquema na clínica de reprodução humana do médico Roger Adbelmassih, que adotava procedimentos ilegais na inseminação artificial de casais. Leia nestas Letras Crônicas "O  preço da reprodução".

O caso do casal que descobriu ter pagado para gerar filhos - e o médico usou espermatozóide de outro homem - não acabou bem. Eles se separaram e, segundo a reportagem de Época, ela nunca se recuperou do trauma.


Conforme Época, "o pai optou por criar as crianças como se fossem suas. Ambos decidiram não investigar a identidade do pai biológico de seus filhos. Aos gêmeos, hoje com 17 anos, a história nunca foi contada".

Esse fato mostra que paternidade não é sinônimo de reprodução. Tanto que a mãe - mesmo biológica neste episódio de manipulação genética - não convive com os gêmeos que gerou.

"O pai optou por criar as crianças como se fossem suas." A frase gera muitos sentidos. Alguns para reflexão.

Os pais quando não biológicos e educam por uma vida inteira seus filhos, não têm a "posse" deles?

Os pais biológicos - mesmo inexistentes - têm legitimidade sobre a paternidade e a maternidade?

A origem é mais importante que a realidade atual?

Vale a pena desencavar histórias para satisfazer o ego por causa dos instintos animais que o ser humano preserva?


Educar um filho não biológico, amando-o diariamente e desempenhando tarefas como cuidar das suas dores, pagar vacinas, ensinar a andar de bicicleta, limpar vômito e fralda suja, levar para a escola, curar feridas físicas e psicológicas - vale menos que um espermatozóide ejaculado num vidrinho?

Nenhum comentário: