terça-feira, 7 de junho de 2011

A palavra de Londrina

Calamidade é a palavra mais atual em Londrina.

Calamidade porque o prefeito e a primeira-dama foram denunciados pelo Ministério Público por participação num esquema de desvios de recursos públicos.

Calamidade porque o prefeito é acusado de usar vigilantes da prefeitura na sua emissora de rádio.

Calamidade porque a administração municipal enfrenta acusações de irregularidades em várias pastas.

Calamidade porque a saúde enfrenta falta de médicos, falta de remédios, falta de plantonistas nos hospitais.

Calamidade porque a administração municipal destruiu o Programa Saúde da Família e o Samu.

Calamidade porque o Aedes aegypti faz a festa e registra mais de 7 mil casos de dengue em menos de seis meses.

Calamidade porque o sindicato do funcionalismo municipal - outrora combativo - não protesta como antes.

Calamidade porque a administração destruiu o programa de reciclagem de lixo, conhecido e premiado nacionalmente.

Calamidade porque o lixo reciclado - separado pela população - amontoa-se em canteiros e praças por vários dias.

Calamidade porque a Câmara Municipal instalou três comissões especiais de inquérito para investigar o prefeito.

Calamidade porque a prefeitura decretou calamidade para contratar sem concurso público.

Calamidade é um grande mal comum a muita gente.

Calamidade é uma grande desgraça.

Calamidade é um desastre em grande escala.

Quer palavra mais atual para o momento que Londrina atravessa?

2 comentários:

Lorena disse...

Quanta dor, Rei. Aquela dor, dentro do peito, que não conseguimos explicar. Tanta vida nossa dada para construir a história da Saúde e do Controle Social e vemos agora tudo escorrendo pelo ralo, pelo desmando, ingerência e corrupção. Fico, sinceramente, pensando como a Marlene deve estar se sentindo. Só fale para ela que o trabalho não será esquecido e que ela foi muito importante para a Saúde.

Beijos

Reinaldo C. Zanardi disse...

E o pior Lorena, o prefeito destruiu décadas de luta e história na saúde em apenas dois anos. É um gafanhoto legítimo.