terça-feira, 26 de julho de 2011

Gula empresarial

Segundo informa hoje o Bonde, a Associação Comercial e Industrial de Londrina (Acil) é favorável ao projeto de lei que "revoga a 'Lei da Muralha', de 2006, que delimita áreas no centro da cidade onde não poderiam ser instalados estabelecimentos como supermercados." 

O projeto do vereador Roberto Fu (PDT) pretende arreganhar o centro de Londrina para grandes empreendimentos. O que é lamentável. Em muitas capitais mundo afora, empresas de grande porte se instalam em áreas afastadas do centro.

Segundo o Bonde, o documento da Acil "traz ainda referência ao jurista Alberto de Paula Machado, baseada em entrevista concedida pelo advogado à Rádio Paiquerê AM, na qual ele afirma que a lei 10.092 tem "clara ofensa a princípios constitucionais, à livre concorrência".  

Imaginem o estrago que o Wall Mart teria proporcionado à região do terreno do antigo Colossinho se tivesse instalado ali. Senhor jurista e dona Acil, em nome da livre concorrência, devemos apagar o nosso patrimônio arquitetônico, por exemplo? Como entidade corporativa que é, a posição da Acil faz jus a sua atuação. Seria estranho o contrário.

Se nossos vereadores forem responsáveis com o patrimônio londrinense manterão a legislação atual. O patrimônio arquitetônico, histório e cultural da cidade não pode correr riscos e ser destruído por causa da gula empresarial de alguns grupos econômicos. Derrubar a Lei da Muralha envolve ainda muitos outros aspectos como meio ambiente, geração de lixo e tráfego. 

O dito segmento produtivo - com todas as suas entidades - perde uma boa oportunidade para debater a questão. Se os empresários fossem contra o projeto do vereador e mantivessem a Lei da Muralha dariam uma prova eficiente que a tal responsabildiade social não é apenas mote para discurso e campanha publicitária.

Nenhum comentário: