quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Feições nórdicas

Um morador de rua curitibano transforma-se em sucesso na internet.
Mistério.
Branco.
Olhos azuis.
Bonito.

Fotografia compartilhada por mais de 35 mil internautas. 

Fim do mistério.
Ex-modelo.
Usuário de crack.
Atual moradora de rua.
Comoção.
Emoção.
Indignação.


Um jornal de Curitiba afirma que a foto no Facebook revela o drama do moço alto, de feições nórdicas e olhos azuis.
Feições nórdicas?
Drama, vítima das drogas, vítima da indiferença social.
O que espanta os espantados não são a droga e a indiferença social.
São a droga e a indiferença com o drogado branco, de olhos azuis.
De feições nórdicas.


As drogas fazem vítimas desde sempre.
Homens. Mulheres. Jovens.
As drogas não têm face, não têm credo, não têm classe social.
As drogas arrancam as feições do indivíduo.
Por isso, são um problema social, coletivo.
Mas incomodam apenas quando vitimizam aqueles mais parecidos com a gente.

Nenhum comentário: