quarta-feira, 27 de março de 2013

Querem acabar com a família

Do alto do seu púlpito, durante o culto, o pastor (se trocar por missa e padre, não fará diferença) brada contra a proposta elaborada pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). 

O alvo da crítica é o texto da proposta do Projeto de Emenda Constitucional, a conhecida PEC da Diversidade, que amplia o conceito de família, juntando situações que não se encaixam no perfil da família tradicional (pai homem, mãe mulher e filhos heteros).

__Querem acabar com a família tradicional. Devemos protegê-la, afirma o pastor (se trocar por padre, não fará diferença), que continuou.

__Deus fez o homem e a mulher para constituir a família verdadeira, no matrimônio, que aos olhos de Deus, é para toda a vida.

Neste momento, a Célia - casada pela segunda vez e que deixou o primeiro marido por apanhar quase diariamente - se revira no banco, incomodada. Ela está com o marido e os quatro filhos: dois do primeiro casamento e dois do segundo.

__A família tradicional é uma instituição sagrada. Pai e mãe não podem ser substituídos.

No meio do templo (se trocar por igreja, não fará diferença), dona Francisca suspira inquieta. Ela cria os dois netos, filhos do filho que está preso por ter assassinado a esposa. 

__A família não pode ser ameaçada. Temos que proteger os pais e as mães de verdade.

Carlos e Lúcia estão no segundo banco e trocam olhares consternados. Com eles, de mãos dadas, cinco filhos entre 3 e 7 anos. Carlos e Lúcia são pais sociais num abrigo municipal. Eles educam e cuidam das crianças, enquanto os pais de verdade estão por aí.

__Essa PEC da Diversidade é a PEC da vergonha. Querem dar aos homossexuais, travestis e transgêneros o mesmo status da família tradicional. Se não defendermos, os gays vão acabar com a família.

O casal José e Cida aperta as mãos. Visivelmente constrangidos. Fabiano, o filho caçula é homossexual e vive com o companheiro e ambos criam Carolina, neta de José e Cida, filha de Fabiana, que foi tentar a vida na Espanha há nove anos. Neste período, ela não teve condições de voltar para ver a menina, hoje com 10 anos.

__Essa PEC é um absurdo porque quer ampliar privilégios a indivíduos viciados em práticas homossexuais.

E assim... o pastor (se trocar por padre, não fará diferença) continua sua pregação (se trocar por sermão, não fará diferença). 

A cada dogma exaltado no templo (se trocar por igreja, não fará diferença) um olhar desconfiado, um suspiro constrangido, um incômodo indisfarçável.

A Creide olha para sua vizinha, sentada ao lado, e diz tudo somente com o olhar. Para ela, a pregação e o sermão sobre a família tradicional, decididamente, andam descolados da realidade dos fiéis. E a amiga tem uma inquietude. 

__E por que esses fiéis que não são da família tradicional continuam frequentando o templo? (se trocar por igreja, não fará diferença).

A Creide tem uma resposta obviamente sábia.

__Porque eles buscam Deus e não os homens que se acham representantes Dele.

Um comentário:

Ninha disse...

Cara, você é demaisssssssss!!!