quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Queima-se coração de gays

 “Eu acho que impor multas aos gays por propaganda homossexual para menores não é suficiente. Eles deveriam ser proibidos de doar sangue, esperma. E seus corações, em caso de acidente de automóvel, deveriam ser enterrados no solo ou queimados, como inadequados para a continuação da vida.”

As declarações contra o grupo LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transexuais) – pasmem – são de um apresentador de uma TV estatal. Isso mesmo, um comunicador em uma TV bancada pelo contribuinte. Trata-se de Dmitry Kiselev, do canal estatal Rossyia 1, da Rússia. As declarações são do ano passado, mas o vídeo bombou na internet no último final de semana naquele país. As informações são do site Opera Mundi.

Com a declaração, o apresentador Kiselev parte do pressuposto que o sangue e os órgãos dos homossexuais são contaminados e não servem para a doação. E ainda que o sangue e os órgãos dos heterossexuais são mais qualificados para a “continuação da vida”. O caso se passou na Rússia, mas poderia ter sido registrado em qualquer lugar do mundo. Afinal, felicianos, bolsonaros e malafaias existem em todo o planeta.

Não é mera coincidência ter aumentado, nos últimos meses, declarações homofóbicas como as listadas acima. Assim, como aumentaram os confrontos, em marchas e passeatas, entre grupos de gays e de religiosos. É que muitos países vêm avançando na legislação que confere direitos civis a homossexuais, como o casamento.

Somente nos últimos três anos, o casamento gay foi regulamentado – com diferentes nomes – em Portugal, Argentina, Islândia, Dinamarca, Uruguai, Nova Zelândia, França e em 12 dos 50 estados americanos. No Brasil, o casamento de pessoas do mesmo sexo também é realidade. No entanto, mais por decisão do Supremo Tribunal Federal e menos pela decisão (pra lamentar) do Congresso Nacional. 

Mais uma vez, a intolerância aos direitos LGBT vem da doutrina religiosa que rege a atitude daqueles que discriminam. Reconhecer os direitos humanos de gays afeta absolutamente em nada a relação do fiel com Deus. Não nos esqueçamos que, pelo mundo afora, a igreja é conivente – independente da religião – com regimes ditatoriais que matam e muitos nem escondem os corpos.

As afirmações do apresentador russo mostram também que o estereótipo do homossexual promíscuo continua mais vivo do que nunca. E ainda mais viva continua a complacência com a promiscuidade de heterossexuais. Afinal, para muitos os bodes devem ficar soltos e as cabras e cabritos que se cuidem. O que determina a qualidade de um órgão ou do sangue é o estilo de vida do seu dono e não sua orientação sexual.

Os que afirmam serem os homossexuais promíscuos são os mesmos que, por exemplo, condenam as campanhas de combate à aids para esse segmento. No carnaval brasileiro já entrou para o calendário das reclamações dos grupos religiosos as campanhas do Ministério da Saúde. 

Na vida, as pessoas aprendem a amar e a odiar. Na vida, as pessoas aprendem a tolerar e a intolerar. Na vida, as pessoas aprendem a respeitar e a desrespeitar. Isso está baseado num conjunto de crenças e de valores, que podemos chamar de educação. E por isso cada um é aquilo que construiu para si mesmo. 

Nenhum comentário: