sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Sobre opinião e ânus

Circula pelo Facebook a ilustração que inspirou esse post, cujo conteúdo ensina o que fazer com a sua opinião. O material parece uma brincadeira, e não deixa de ser - ressalte-se de mau gosto. Afinal o material despreza o processo de formação da opinião e a liberdade de expressão.

Numa linguagem que remete ao discurso médico – aquele que mostra o passo a passo de como usar medicamentos – a ilustração propõe ao dono introduzir a opinião "bem fundo em sua cavidade anal", ou seja, enfie no meio do seu... ânus. Esse discurso contrasta com a luta pela livre manifestação do pensamento, algo tão caro à democracia. 

Historicamente, a participação do leitor nos veículos tradicionais de comunicação sempre foi limitada. A seção de cartas dos jornais, por causa do espaço pequeno, contemplava poucos leitores, ou seja, a seleção deixava de fora muita gente que se manifestava. 

Na TV, essa participação era praticamente inexistente. Escolher, por exemplo, um entre três filmes no sábado à noite, numa lista previamente definida, não era sinônimo de participar. E o rádio, dos meios de comunicação de massa, era o veículo que mais abria espaço ao ouvinte que, além de pedir música, reclamava do buraco da rua, da árvore condenada, do terreno baldio, enfim... sua voz encontrava eco.

Do ponto de vista da participação nas plataformas convencionais pouca coisa mudou. E é na internet que esses veículos agora abrem espaços generosos aos comentários dos internautas, ou seja, a rede é um instrumento que, além de democratizar o acesso à informação, potencializa a voz do cidadão comum. 

Se nos jornais, rádios e TVs, via internet, o espaço cresceu imagine nas redes sociais nas quais o cidadão torna-se dono do seu próprio veículo. Ele define e executa a sua linha editorial. Texto, fotografia, áudio e vídeo portam mais que opinião. São portadores de defesas e de ataques; da bondade e da maldade. 

Antes que alguém me mande seguir o passo a passo da ilustração com esse meu texto, ou seja, a minha opinião sobre a opinião, responda a si mesmo. Onde você enfia a sua e a que ela serve? A luta pela liberdade de expressão parece vencida num país que goza do status de democracia, mas agora se consolida uma nova etapa nesse processo: o exercício da liberdade com responsabilidade. 

Pensar não é uma tarefa fácil. Pensar e manifestar o pensamento com respeito é ainda mais difícil. Você está preparado para tal tarefa?

Nenhum comentário: