terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Não era só por 20 centavos


O gigante acordou, foi para as ruas e avenidas. 
Não era somente por 20 centavos.
Era por mais saúde, mais educação, mais transporte, mais moradia.
Era contra a corrupção, contra os corruptos.
Era por menos impostos.

Não era só por 20 centavos
Mais política pública e menos impostos não combinam.
A pauta difusa tomou conta das manifestações.
O gigante acordou e, com ele, gente de um pouco de tudo.
Bem intencionada; mal intencionada.
Gente de cara limpa; intenções transparentes.
Gente mascarada; segundas intenções.

Não era só por 20 centavos
A presidente Dilma propôs um plebiscito.
Reforma para reformar a política.
O eleitor poderia determinar as diretrizes da reforma.
Na pauta, o financiamento das campanhas eleitorais; o voto proporcional como é hoje ou voto distrital puro ou misto/voto majoritário para a eleição de parlamentares/voto em lista fechada ou flexível; o fim da suplência para o Senado Federal; o fim das coligações para deputados e vereadores.
O Congresso Nacional, aquele que muda para ficar tudo como está, rejeitou o plebiscito com apoio de muitos segmentos sociais, incluindo parte da imprensa.
O plebiscito minguou.
O plebiscito morreu.

Não era só por 20 centavos
As ruas e as avenidas endureceram.
Pequenos grupos de vândalos chamaram mais atenção que a multidão pacífica.
A tática Black Bloc, que reúne insatisfeitos de ordens diversas, toca o terror.
Máscaras, incêndios, depredações, prejuízo.
A polícia, sem ação da inteligência, com pelotões despreparados toca o terror.
Cassetete, bomba de efeito moral, spray de pimenta, bala de borracha.

Não era só por 20 centavos
Manifestantes feridos, militantes apartidariamente partidários presos, policiais machucados, caos, mortes.
A violência é justificada e legitimada por muitos segmentos da sociedade como estratégia de resistência.
O rojão Black Bloc acerta e mata o cinegrafista da Band.
Indignação, perplexidade. 
A violência num estado democrático de direito afeta não só as pessoas.
Atinge em cheio a democracia.

Não era só por 20 centavos
Tornou-se contra os governos estaduais.
Tornou-se contra Dilma e o PT.
Tornou-se contra o “Mais Médicos”.
Tornou-se contra o transporte coletivo.
Tornou-se contra as políticas de transferência de renda.
Tornou-se contra Feliciano.
Tornou-se contra a Copa.
Tornou-se contra as Olimpíadas.
Tornou-se contra tudo e todos.

Não era só por 20 centavos.
Era por que mesmo?

Nenhum comentário: