sexta-feira, 6 de junho de 2014

Salário afetivo


Vida de professor não é fácil. A sala de aula consome muita energia. Fora dela perdemos um pouco mais. Preparação de aula significa escolher os textos, aprofundar os mecanismos de reflexão, buscar os tais objetos de aprendizagem mais adequados, traçar estratégias dinâmicas. Isso exige dedicação e, antes de tudo, vontade.


Não há uma semana em que o professor não tenha vontade de desistir. Os estudantes testam - além do seu conhecimento - a sua paciência, a sua palavra, as suas regras, enfim... os seus limites. Como estudante é bom em testar! E isso faz parte do processo de amadurecimento do aluno e também do próprio professor. 

Se uma coisa eu aprendi em quase 15 anos de sala de aula numa universidade é que o professor não é o. É um. E como um o seu papel é provocar, incitar, inquietar, estimular, perturbar. Provocar o debate. Incitar a vontade de aprender. Inquietar o conhecimento pronto. Estimular o raciocínio e a reflexão. Perturbar o sossego dos acomodados.

Professor bom é o que consegue ser rígido sem agredir; o que fala não sem ofender; o que chama atenção sem atacar. Se consigo atingir esse objetivo? Nem sempre. Mas ser rigoroso com afeto é uma tentativa. E quem tenta tem mais chances de conseguir.

O maior reconhecimento para mim como professor é saber que consegui - não mudar o aluno, mas me tornar um provocador, um incitador, um inquietador, um estimulador, um perturbador. E o conhecimento? O aluno tratará de buscá-lo e construirá a sua verdade. As minhas verdades são apenas as minhas.

E se depois de tanta instigação, os alunos nutrirem carinho por você é sinal de que o objetivo foi atingido. Ser chamado de "malvado favorito" e ainda sair numa selfie coletiva não tem preço. O salário afetivo paga coisas banais que fazem muito bem à alma. 

Foto: Gabriela Morassi. 

6 comentários:

Luma disse...

Aí Rei fiquei emocionada. Nesta reta final o que eu sinto é um misto de acaba logo tudo isso e que saudade que eu vou sentir.
Pode ter certeza que você cumpriu o seu papel com maestria.

Obrigada por ser tão você e não ter desistido de nós.

Morientes disse...

Existem professores e educadores... Já dizia o filósofo e londrinense, Mario Sergio Cortella: O conhecimento serve para encantar as pessoas, não para humilhá-las.
Siga sempre esse caminho, Rei. Tenho orgulho de tê-lo como professor, mais ainda como amigo! Sucesso sempre!

Vilma Otto disse...

A vida nos ensina que devemos aprender mais do que ensinar... O professor é um guerreiro que vive a aprender com os alunos e com a vida... todos deveríamos ter um pouquinho de professor..."Malvado Favorito" com carinho, vai ficar muitas saudades... Você faz parte da nossa história!

Ana Carla Barbosa disse...

Texto lindo, professor! Tamanha é a instigação descrita que tem aluna querendo virar professora. Nem precisamos dizer mais sobre sua participação nesse processo. Nos dias de cansaço, lembre-se sempre que valerá a pena de alguma forma.

Ana Carla Barbosa disse...

Lindo texto, professor! Tamanha é a instigação descrita, que tem aluna querendo virar professora. Lembre-se sempre nos seus dias de cansaço que valerá a pena de alguma forma.

Livrarias Curitiba disse...

Olá professor. Parabéns pelo texto e também por ser um profissional, incitador e um grande modelo pros seus alunos. Você me instigou a pensar o mundo criticamente, mesmo que seja no que chamo de " meu debate interior". Nunca me esquecerei da força que você me deu na realização do meu sonho, e poxa isso mudou muita coisa pra mim. Ser seu aluno é um privilégio. Obrigado por se esforçar e ser quem é. Terei saudades das suas aulas. Abraços/Wilton