terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Bolsonaro, mais uma vez

O deputado Jair Bolsonaro, do PP do Rio de Janeiro, disse do alto da tribuna da Câmara, hoje (dia 9), que não estuprava a colega deputada Maria do Rosário, do PT do Rio Grande do Sul, porque ela “não merece”. Vale perguntar se Bolsonaro já estuprou alguma mulher que merecesse. Se estuprou, cometeu um crime grave.

A agressão de hoje foi a resposta do deputado machista, racista e homofóbico ao discurso da gaúcha que criticou os movimentos que pedem a volta da ditadura militar, a qual classificou de “vergonha absoluta”. Bolsonaro é militar da reserva. O pior é que o deputado já havia agredido Maria do Rosário, em 2003, a quem chamou de "vagabunda".

Jair Bolsonaro protagonizou muitos episódios que condenariam qualquer cidadão comum e, pelo visto, continua transgredindo as regras da democracia como um bom militar que atuou durante o regime militar; o mesmo regime que torturou, matou e escondeu brasileiros país afora.

Ao não punir Jair Bolsonaro, o Congresso Nacional torna-se não apenas conivente com as suas agressões, mas seu cúmplice. A imagem de deputados e senadores - que não é boa - piora cada vez mais. 

Nas eleições de 2014, Bolsonaro foi o deputado federal mais votado do Rio de Janeiro. Ele foi reeleito para o 7º mandato, com mais de 464 mil votos. Sim. O deputado Jair Bolsonaro, entre polêmicas e agressões, faz muito sucesso. Infelizmente, existe no Brasil muita gente como ele.

Crédito da imagem: Carlos Latuff.

Nenhum comentário: