quarta-feira, 18 de março de 2015

Sintomas da deseducação


Muita gente foi às ruas no domingo, dia 15, protestar contra o governo da presidenta petista Dilma. E com razão. A crise bate à porta, as tarifas aumentam; a inflação sobe.

As promessas de campanhas à esquerda parecem dobrar à direita e o projeto (de mercado) derrotado parece o vencedor. Famílias inteiras querem um país melhor. Isso não é ruim. 

Ruim é fazer coro com noticiário seletivo e manipulado. Ruim é fazer coro com senador investigado que aponta apenas a corrupção do outroManifestação pacífica é necessária e, se for inteligente, melhor ainda pelo seu caráter pedagógico. 

E definitivamente este não é o caso de muitos manifestantes que provaram, no domingo, que acesso à escola e ao ensino formal não garantem educação. Nos atos do dia 15 na Paulista, segundo pesquisa do Datafolha, a maioria tinha ensino superior (76%) e renda alta (mais de 10 salários mínimos).

E o pior, os mal educados com títulos acadêmicos ainda contaminam o ambiente, garantindo um processo de deseducação, pisoteando as conquistas democráticas e zombando da história do país.

Essa realidade pode ser verificada nos protestos. Em textos e imagens, alguns exemplos correram a rede.

- O cara vai às ruas protestar e afirma, em inglês, que o PT é um grupo terrorista, ao mesmo tempo em que divide as ruas com quem pede a morte de Lula e Dilma.

- Bem-nutrido, o arquiteto garotão estampa no peito uma folha A4 "Dilma biscatona véia". A liberdade de expressão é manchada pelo machismo rasteiro e pelo preconceito contra o idoso. Se fosse uma biscatinha novinha, tudo bem? 

- A multidão vai às ruas, num ato democrático típico de país livre, e pede intervenção militar com a volta da ditadura que torturou, matou e escondeu muitos corpos.

- O menino protesta "contra a corrupção que tomou conta do Brasil", com a camiseta da seleção Brasileira, aquela comandada pela CBF, cuja trajetória de malfeitos dispensa maiores apresentações. 

- Os protestos são contra a corrupção, mas a multidão ostenta rótulos contra Lula e Dilma; ela que não está na lista de Janot na Operação Lava Jato, como outros 49 deputados e senadores, que não foram alvo dos protestos.

-Aliás, a lista de Janot, na Lava Jato, tem políticos do PT, PP, PSDB, PTB, mas o alvo preferencial é o PT. Compreensível porque é o partido que comanda o país, mas quando o combate aos corruptos é seletivo, alguns acabam na cadeia e a maioria fica livre.


- Os bancos privados são o setor, no governo do PT, que mais ganha dinheiro, mesmo assim, mulher de banqueiro deve achar que o setor ganha pouco. "Fora Dilma" para que o marido Setúbal, do Itaú, lucre ainda mais?

- Na foto que ilustra este texto, manifestantes pedem o fim do Supremo Tribunal Federal, órgão responsável por garantir o equilíbrio do Judiciário. Pedir o fim do STF, com a manutenção apenas do Ministério Público e da Polícia Federal é desconhecer o sistema de investigação e julgamento, dando poderes de inquisição aos dois órgãos.

O Brasil é uma democracia jovem e errar é humano, mais humano ainda é que podemos aprender com os próprios erros. E esse aprendizado - também - pode ser feito a partir do diálogo. E quem foi para as ruas no último domingo pedir o impeachment de Dilma está disposto a isso?

Um comentário:

Wilson Sanches disse...

Faltou: Uma passeata apartidária que é contra um determinado partido.... a contradição em processo!!!