quarta-feira, 16 de março de 2016

Quero meu país de volta!


Gloryah, a amiga da Creide, foi para as ruas no último domingo com um cartaz que dizia "Quero meu país de volta!".

Ela rodou avenidas, revezando palavras de ordem contra os corruptos, os ladrões do dinheiro do povo, os comunistas que querem acabar com o Brasil.


Na volta da passeata, Gloryah encontrou a Creide na porta do prédio e, indignada, apontou o dedo para a amiga que se recusara a participar da folia na avenida.


__Quero meu país de volta! disse Gloryah provocando a Creide.
__Qual país? perguntou Creide com cara de tonta.
__Quero meu país de volta! repetiu.
__Qual país? ...silêncio... O que o negro pobre não entrava na universidade? devolveu Creide a provocação.
__Quero meu país de volta! elevou Gloryah o tom da voz.
__Qual país? O que empregada doméstica não tinha direito trabalhista? baixou Creide o tom da voz.
__Quero meu pais de volta! elevou Gloryah mais um pouco o tom da voz.
__Qual país? O que não investigava corrupção e engavetava todas as acusações? baixou Creide mais um pouco o tom de voz.
__Quero meu pais de volta! gritou Gloryah.
__Qual país você quer de volta, criatura? quase sussurrou Creide.
__O meu país. bateu Gloryah no peito.

Silêncio...

__Você não entende mesmo. Você está cega, Creide. A sua paixão partidária não deixa você enxergar. O pior cego é aquele que não quer ver. Que decepção!

Silêncio...
Ambas entram no edifício. Gloryah chama o elevador. cada uma aperta seu andar.


__Você quer carona amanhã para o trabalho? perguntou Creide à amiga.
__Pode ser. No horário de sempre. respondeu Gloryah.
__Então até amanhã.

 
Creide desce do elevador e Gloryah vai até seu andar, o de número 13.


Imagem: Reprodução www.wallpapersmegapixel.blogspot.com

Um comentário:

Regina Melchior disse...

Muito bom Reinaldo! Estava justamente usando estes argumentos aqui em casa com nossa funcionária! Esqueci dos direitos das domésticas!rs