terça-feira, 31 de maio de 2016

Delação, uns versinhos


De delação em delação, Moro prende - preventivamente - para forçar a falação.
De delação em delação, o STF não se livra da omissão.

De delação em delação, corruptos confessos entregam antigos e novos parceiros de ação.
De delação em delação, corruptos confessos querem chegar à salvação.

De delação em delação, o eleitor fica cada vez mais desacreditado em eleição.
De delação em delação, o sistema político brasileiro ainda vai chegar à extinção.

Depois dizem que política não se deve levar à discussão.
Não se pode negar e deixar de cumprir essa missão.

Do contrário, daqui a muitas décadas, ainda estaremos discutindo a corrupção.

Crédito da imagem: Aroeira.

Nenhum comentário: