quarta-feira, 24 de agosto de 2016

O pudor que nunca tiveram


A presidenta Dilma Rousseff não foi afastada por crime de responsabilidade. Ela acabou fora do cargo por não ter o Congresso Nacional nas mãos. A confissão é de Gilberto Kassab, em entrevista ao jornalista Kennedy Alencar. O tal crime de responsabilidade - fica evidente a cada dia - é só um pretexto.

__ Eu acredito que o conjunto de circunstâncias que foram acontecendo ao longo dos últimos dois ou três anos levou a essa situação onde o governo, quase com certeza, terá nos próximos dias o impeachment acontecendo.
Kassab, fundador do PSD, foi ministro de Dilma e, agora, de Temer - o ilegítimo. Kassab, que traiu a antiga chefe - a exemplo do atual chefe - diz que se um governo não tiver maioria no Congresso, vai acabar afastado.

__E depois, para aqueles que defendem o parlamentarismo, esse impeachment vai mostrar que nós estamos vivendo num semiparlamentarismo. O governo que não tiver um terço da Câmara dos Deputados passará por um processo de impeachment. É o que aconteceu.


No Brasil, não existe parlamentarismo nem semiparlamentarismo. Quando Kassab admite que um governo tem de ter um terço no Congresso, o que o presidente precisa fazer? Comprar a base de apoio? Mas isso não é o que ficou conhecido como mensalão?

Os golpistas do Congresso perderam o pudor que nunca tiveram. Não importam votos, não importa eleição, não importa projeto eleito, não importa crime de responsabilidade. Importam a chantagem e o fisiologismo de deputados e senadores. 


Se o presidente da República não se submete aos caprichos financeiros dos nada nobre parlamentares sofrerá impeachment. Dilma, uma mulher honesta, foi afastada por um sindicato de ladrões, como classificou Ciro Gomes. Qual o nome para isso que não seja golpe? 

Sem uma reforma política profunda que mexa, inclusive, no sistema de representatividade e dê uma cara nova ao Congresso Nacional, nada mudará de verdade. E daqui a 50 anos, outros estarão discutindo os mesmo problemas. Reforma Política JÁ!

Nenhum comentário: